quinta-feira, dezembro 20, 2018

Uma Manhã Ensolarada Em Arraial


Após uma separação que me fez estragos, e já com alguns meses sem conseguir me envolver com ninguém, desapontamento com a vida e stress a mil, resolvo tirar uns dias de folga em arraial do cabo. Uma pousada na beira do mar, com piscina, sol e alguns drinks são o ideal para relaxar e botar a cabeça em ordem.

Lá conheço uma loira radiante. Linda, mas mais que isso! Ela transborda charme, alegria, e por isso imediatamente se torna interessante para mim. Não tardamos a conversar e criar laços entre uma caipirinha e outra.

Ela me conta que ganhou uns dias da empresa no local como prêmio, e teve que ir sem o marido, pois ele trabalha.  Ela até gostou, pois precisava de um tempo sozinha, longe da rotina de um casamento já sem carinho e emoção.

Após algum papo onde nossa amizade se intensificou, eu proponho um passeio de barco para conhecer a beleza da região. Ela já percebeu meus olhares e deu muitos sorrisos para meus elogios, mas se manteve firme na posição de não demonstrar mais do que deveria. De qualquer forma, sinto pelas reações corporais dela o quanto ela está gostando dos meus gracejos. Consigo até perceber de relance alguns olhares dela para meu corpo. Sim, ela está gostando desse clima comigo.

Convite aceito, iríamos para um passeio em grupo, porém aproveitando meus conhecimento de navegação, consigo alugar um lancha para um passeio a 2. Quando recebo as chaves da Real Class 31 e só estamos nós e mais ninguém, olho sua reação e vejo um rosto assustado acompanhado de um sorriso. Ela não vacila, entra na embarcação me chamando de louco, e visivelmente feliz com a surpresa. Ainda sim não sei como ela vai reagir, ela é muito extrovertida e simpática, e tenho medo de um avanço meu estragar todo o clima bom que temos tido ao longo dos últimos dias. Porém, preciso tentar, ela não sai dos meus pensamentos.

Nos primeiros 20 minutos com a lancha rumando para as prainhas, ela se aproxima mais de mim. Já faz um carinho em minha barba, um beijo bem próximo à minha boca e o olho no olho mostra brilho de ambos os lados. Tenho que me concentrar na direção, porém uma de minhas mãos já acaricia suas pernas, e não escondo mais a vontade de tê-la para mim. Quando encontro aquele local lindo e privativo, paro o barco, e nada precisa ser dito. Aproximo-me dela e dou um beijo. Sinto um arrepio com sua boca e seu corpo junto ao meu. Consigo senti-la melhor pela primeira vez. Ela é magra, com cintura larga, pernas grossas. Essa combinação que já naturalmente me desperta interesse, se intensifica com sua atitude. Estou somente de sunga e nada pode ser ocultado, o desejo transborda nesta situação.

Ela sugere um mergulho para um respiro daquele calor, e logo estamos naquele mar paradisíaco. Nosso tesão continua grande, e tiro a parte de cima do biquíni dela. Seus seios médios e de cor rosa me deixam muito excitado, e ela certamente sente quando entrelaça suas pernas na minha cintura, dentro da água. O rosto dela já está diferente agora, ela também está sentindo muito desejo.

Quero sentir cada pedaço de seu corpo, e a puxo de volta para o barco. Nunca me esquecerei desta imagem. Ela deitada com o mar atrás de si. Um dos braços acima do rosto, uma das pernas levantadas e o rosto para o lado. Talvez admirando o horizonte, talvez me seduzindo de uma forma como eu nunca havia sido. O que eu sei é que minha boca beijou cada pedaço de seu corpo, tirei a parte de baixo do biquíni sem resistência, e senti seu corpo se arrepiando em cada toque de minha língua.

Após algum tempo completamente entregue, relaxada àquele prazer, ela me chama para junto dela, me pede para sentar e se joga no meu colo. Ganho longos e carinhosos beijos, diz que há muito não sente este desejo, esta emoção que sente agora. Ela está morrendo de vontade, e após descer minha sunga, encaixa lentamente meu membro dentro dela. A gente está transando, mas mais que isso. A gente namora muito, cada arrepio vem acompanhado de um beijo ardente e um corpo apertado junto ao meu. Ela me dá carinho, aceita minhas mãos no cabelo dela, pede para puxá-lo enquanto beijo seu pescoço. O sexo é lento, e aquela paisagem em volta, aquele corpo que tanto me atrai, a nossa química, tudo está perfeito e não há pressa para que aquele momento acabe.

Ela solta alguns gemidos mais altos, e fala o quanto está gostando. Ela demonstra verbalmente seu prazer, e o corpo por fim também fala. Sinto seu corpo tremer, os lábios gelando, e este tesão todo me faz transbordar em prazer também. Ficamos assim, abraçados, nos beijando e nos sentindo por mais algum tempo, aproveitando este deleite.

Voltamos à pousada como namorados apaixonados, e no mesmo dia ela tem que voltar à realidade do Rio de Janeiro.

Porém, esta não é somente uma história de verão. O que tivemos foi muito forte para isto. Passei os meses seguintes cuidando dela, até que nossa paixão era por demais forte para as restrição que tínhamos, e hoje a tenho em minha cama todas as noites. Com a mesma intensidade daquele dia ensolarado nas prainhas de Arraial do Cabo.

terça-feira, dezembro 04, 2018

Em Casa...


Chego em casa depois de um dia cheio de trabalho. Corpo um pouco cansado, mas o desejo que estou sentido na esposa é muito maior. Alguns dias sem sexo devido a viagens e compromissos de trabalho. Não consigo mais ficar 1 semana sem sentir o prazer sexual. Alguns casamentos esfriam, já eu adoro o sexo e a intimidade nos vicia.

Quando ela abre a porta, olho-a de vestido curto e paro para admirá-la. Faço olhar de cachorro e dou até uma rosnada. Sei que não é o elogio mais carinhoso, mas quando se é casado, acho que é até mais gostoso para sua mulher saber que ainda é desejada. Romance é necessário, mas mostrar aquele tesão também faz bem!

Já está avisada que quando a filha dormir, ela vai ser minha. Ela só dá um sorriso, e desfila rebolando, levemente roçando seu bumbum em mim quando passa ao meu lado. Ela me provoca para aflorar ainda mais meu instinto.

Quando só restamos nós dois, ela me aparece com um drink feito com espumante e algum licor, não me pergunte o nome. Só sei que é docinho, desce fácil e rápido, enquanto conversamos sobre o dia. Beijos carinhosos são dados, e aos poucos minhas mãos vão passeando pelo corpo dela.

Chega de falatório. Coloco uma “lo-fi music” no som e clima já está criado. Já estou bastante excitado e ela sente. Ela adora sempre que toca em meu membro e ele está bem rígido.

Não a deixo fazer nada. Quero é curtir o corpo dela. Ficar parado e somente receber não faz parte dos meus planos hoje. Quando ela bebe, ela sente prazer muito fácil, e como adoro senti-la gemendo e ficando molhadinha rápido! Faço-a se deitar, tiro a roupa toda dela, e a minha também, e a beijo, estamos totalmente pelados. Ela sente meu pau duro quase que a penetrando, mas propositalmente não entro, só para provocá-la.

Beijo seu pescoço, desço até os seios rosinhas dela, e sinto o quanto ela está arrepiada. Meus lábios continuam descendo, beijando cada pedaço da barriga e da cintura dela. Ela sorri e diz que adora minha barba acariciando o corpo dela. Minha boca aporta entre suas pernas, dou uma lambida de leve, e ela reage. Mas não continuo, quero deixá-la louca de tesão, e passo a beijar sua coxa, sua virilha. Ela implora para eu começar, que não aguenta mais de vontade e eu finalmente faço sua vontade. Começo a lamber de leve sua xana, e sinto o quanto ela está excitada.

Inicio com leves lambidas, ela excitada começa a gemer. Então acelero e sinto-a segurar a respiração. Já não me contenho e dou chupadas frenéticas em seu clitóris, ela com olhos fechados e boca entreaberta já emite sons gostosos de ouvir, e me fala o quanto a chupo gostoso, e o quanto ela sente prazer. Quando sinto que ela está para gozar, eu diminuo o ritmo, fazendo o gozo dela se estender mais. Ela se treme toda, e tenho que segurar sua cintura para continuar a lamber seu sexo.

Quando sinto sua respiração normalizando, não a espero descansar. Parto para cima dela, começo a beijar sua boca enquanto finalmente a penetro. Ela dá um gemido enquanto meus lábios tocam os lábios gelados dela. Começo um papai e mamãe bem lento. Quero sentir cada vai-e-vem, cada centímetro do meu pau entrando no corpo úmido dela. Fico assim namorando, olhando nos olhos dela enquanto subo e desço. Me excita não só a sensação, mas ver como ela fica, o prazer que está sentindo. Ela crava suas unhas em minhas costas, aperta minha bunda pra eu entrar o máximo dentro dela, fecha as mãos no meu peito segurando meus pelos. Ela está adorando, e senti-la assim me faz ter muito prazer. E por isso eu paro. Não quero gozar agora. Quero curtir mais. E troco de posição.

Trago-a para cima de mim. Puxo o cabelo dela, de leve. Ela gosta. Pego sua nuca e colo seus lábios no meu. Ela me cavalga enquanto a beijo. Depois se afasta e ficamos nos olhando, os dois com aquele olhar de prazer. Pergunto se ela quer outro beijo ou que chupe os seios dela. Ela responde para eu chupar.

Beijo, lambo, chupo e sugo com vontade. Ela já geme alto e acelera o ritmo. Eu aperto sua bunda, sinto seu corpo subir e descer, e dou alguns tapas. Ela adora, e pede mais.

A sensação é forte, e com minhas mãos na bunda dela, faço-a subir e descer com força e assim eu gozo, com a respiração e o batimento forte. Ela também goza, me aperta com força e segura o grito para não acordar a vizinhança.

E assim vamos dormir. Extasiados, com o sexo satisfeito, e o coração massageado.

Quer a versão feminina desta crônica? Leia AQUI neste excelente blog PELAMENTE!



sexta-feira, novembro 23, 2018

Aquele Outro Tipo de Atração


Venho aqui primeiro me declarar. Sou homem. E o que diz nosso instinto? Deseje a mulher com curvas, seios fartos, bunda grande, cintura violão, pernas grossas, lábios chamativos.

Admito, procuro isto tudo em uma mulher. Sou homem, oras! A tal da atração é fundamental. Não sei o que é, só sei que quando aparece, já era. A gente quer conquistar. E quando se consegue alguém que você quer muito, é foda! Desculpe, essa é a melhor palavra!

Vivi as experiências que queria e procuro um novo tipo de atração. Sabe bem como é, a gente vai envelhecendo e a busca muda. Aliás, venho atualizar aqui, eu procurava! Achei alguma coisa que ainda não sei bem o que. Eu me deparei recentemente com uma situação que vou te falar, não sei como descrever. Vou tentar aqui um nome, um rótulo: atração intelectual! Isso, faz essa cara esquisita, eu também não entendo!

Fato é que ela é sim bonita, ela é sim uma mulher atraente. Não poderia ser diferente. Homem, instinto, ah já expliquei!

Mas é mais que isso. Conheci a parte intelectual dela primeiro. Conversamos muito e aos poucos fui conhecendo-a como ser pensante, e que desafio é ser interessante para ela. Ela é inteligente, sensível, acima da média. E isso provocou meu instinto. E o desafio só aumentou à medida que ela se mostrou inacessível. Vontade de conquistá-la bateu forte, e quando acontece isto, já vi que to em maus lençóis! Porque sou meio mimado, admito. Quando eu quero, eu insisto até conseguir.

Nossas conversas, olho no olho, foram um festival de mensagens subliminares nas palavras, nas atitudes, no corpo. Ela se esquivava, mas gostava. Do meu olhar, minha descrição do que era interessante (nela). Eu percebia que fazia bem a ela, mesmo ela fingindo ignorar. 

E o tempo passou, eu paciente, ela foi me dando sinais também. Ela escrevia para mim, coisas que não se escreve, somente se pensa. E mesmo que não dizendo que era sobre mim, estava tudo lá, o desejo latente, a vontade de estar bem íntima comigo. Ela é minha em pensamento, não havia mais como negar.

E a vontade dos dois, eu fiz acontecer. Armei uma armadilha. Pense em uma ratoeira com aquele queijo brie delicioso. Eu morro feliz, mas não resisto a tentar pegar. E morremos em uma noite lá em casa, com a desculpa de tomarmos um vinho e conversarmos sobre nosso livro favorito. Aquela série que ela já leu todos, e eu ainda estou no segundo.

O vinho fazendo efeito, e a conversa sobre aquele romance improvável (o do livro) não tardou a darmos detalhe sobre como é uma paixão avassaladora, o que nos dá tesão, e o quanto - finalmente disse – sinto atração por ela. Antes que ela pudesse ignorar, puxei-a para cima de mim e a encarei, desafiando-a a não me beijar após ver meu olhar de desejo e meu membro enrijecido tocando as coxas dela. E não, meu amigo, ela não resistiu. O beijo foi forte, foi rápido, e pude finalmente sentir aqueles lábios que tanto fantasiei beijar. Não tardou para as roupas caírem e eu poder sentir aquele corpo todo, ver e sentir cada curva que eu só imaginava.

Vou dizer, meu amigo, não me inveje por favor, mas tenho que dizer que ela é perfeita. Ela se entregou como nunca vi, a gente queria se tocar, se provar, se sentir, e a excitação não parava de crescer. Aquela boca passando pelo meu corpo me deixa louco até agora só de lembrar, e entrelacei meu corpo com o dela de uma forma que perdi o chão. Nunca esqueço o jeito dela, o olhar de tesão, de prazer. Foi uma noite inesquecível.

Mas ela não pode ser minha por completo, eu entendo. No dia seguinte, conversamos sobre o livro novamente, como sempre fazemos. Sem os excessos da noite anterior. Não mencionamos o que houve, foi um momento especial que não cabe a outro dia.

E tenho que te dizer, começamos a ler outro livro. E por isso estou aqui no mercado, procurando o vinho para nossa próxima discussão.

Quer ler a versão feminina desta crônica? Leia AQUI no excelente blog "PELAMENTE"!

As Mãos Mágicas


Tenho uma amiga. Massagista profissional, ela fez cursos, conhece as técnicas, os pontos de pressão, aquilo tudo! Nunca havia tido nada com ela. Mas em conversas, já houve uma certa tensão sexual, olhares, toques, assuntos por demais próximos, e claro que a vontade apareceu para mim.

Ela é aquela mulata clássica, maravilhosa. Pele marrom bombom, seios pequenos mas firmes, bumbum e pernas que chamam atenção. Chama minha atenção, sem dúvida!

Um certo dia, com vontade de me aproximar, envio uma mensagem dizendo que quero contratar sua massagem. Não tive coragem de falar pessoalmente, então não pude ver sua reação. Ela aceitou, após alguns minutos sem responder. Imagino o que ela estava pensando... Como ela não tem local de trabalho, falei que poderíamos fazer em um motel, se ela não se importasse. Após alguma hesitação, e aquela reclamação típica considerando nossa sociedade machista (ela não pode demonstrar que quer ir a motel comigo), deixei-a tranquila que seria apenas um serviço profissional e ela acabou por aceitar.

Busquei-a na noite combinada, e quando a vi chegando ao meu carro, fiquei hipnotizado. Uma blusa que deixava grande parte do colo à mostra, usando uma saia colada ao corpo, eu não parava de admirar aquele mulherão. E quanto mais eu olhava, mais eu babava, mais meu queixo caía. Acho que ela notou, pois entrou com aquele sorriso que as mulheres dão quando sabem que estão agradando ao homem. Ela me elogiou também, disse que estou bem vestido e cheiroso. Partimos rumo ao local.

Ao entrar no quarto, a vontade que eu tinha era de agarrá-la, enchê-la de beijos, mas me contive, não sabia bem o que ela estava pretendendo. Perguntei então o que devia fazer. Ela falou para eu tirar a roupa e deitar de bruços. Assim o fiz e ela começou a massagear minhas pernas. Não sabia o que dizer, como agir. Deixei-a me conduzir. Ela também estava diferente, não puxava os assuntos corriqueiros que estávamos acostumados, e tinha um olhar diferente. Os toques dela eram firmes, mas ao mesmo tempo sensuais. Perguntou-me se eu estava gostando, se estava fazendo bem, e eu meio gemendo, disse que sim. Quando ela passou a massagear minhas costas e ombros, ela ficou bem próxima a mim, conseguia sentir sua respiração em minha nuca, ganhei carinho no cabelo. Os lábios dela tocaram minha orelha, meu pescoço, mas sempre de leve, nada que me permitisse um avanço. De qualquer forma, meu membro ficou ereto, a excitação estava a mil.

Ela então me pede para virar de frente. Pensei na hora o que significaria, ela me veria totalmente pelado, e com a reação física que meu corpo estava tendo. Mas a obedeci, e virei. Ela não esboçou reação, ao massagear meus pés fiquei observando-a, ela olhava fixamente para meu membro e meus olhos, e já não escondia que queria algo de mim. Ela subiu em direção às minhas coxas, e fez algo que eu não esperava. Deu uma chupada em meu pênis, o que me causou um arrepio imediatamente. Nesta hora, meu instinto me fez querer levantar, mas ela não permitiu. Disse que ia cuidar de mim. Obrigou-me a continuar ali deitado, tirou a blusa, a saia e a vi quase que totalmente nua, somente uma linda calcinha branca que trouxe uma delicadeza àquele fogo sexual que era seu corpo e sua atitude. Não consegui tirar os olhos daquele corpo lindo, enquanto ela lentamente subia suas carícias pelo meu corpo e se curvou em minha direção, só para que eu pudesse chupar seus seios. Pela primeira vez senti seu corpo, passeei minhas mãos por cada curva, do jeito que tanto fantasiava em pensamento.

Nos beijamos e aí sim ela me permitiu tomar atitude, falei que era minha hora de relaxá-la e a deitei na cama. Não sei fazer massagem, mas compensei beijando o corpo todo dela, começando pela boca, pescoço, seios, até chegar ao sexo dela. E ali me diverti beijando, lambendo, chupando, e sentindo cada arrepio que ela tinha.

O sexo foi maravilhoso, tesão a mil, corpos pegando fogo, aquele prazer que estávamos descobrindo entre duas pessoas que já se conheciam bastante e agora sentem novas sensações.

A entrega foi grande, e pude fazer acontecer aquele desejo que tanto tinha por ela. Minha amiga morena, com as mãos mágicas e o corpo delicioso!

sexta-feira, novembro 10, 2017

Machista Millenial

Venho confessar a vocês. Eu sou machista. Mas não, não violento mulher, não as subjulgo, não as quero trancada em casa fazendo os afazeres domésticos para mim. Deixa eu me intitular então Machista Millenial. O que seria isso? Vamos lá...

Acredito na diferença de gêneros. Somos diferentes sim. Seja por instinto (animais agem diferentes de acordo com gênero, e somos animais não?), seja por repetição social, as mulheres costumam ser mais zelosas, calmas, os homens possuem mais atitude, mais ímpeto. Só por escrever isso, sei que muitas mulheres me bateriam, mas é o que eu penso.

E por isso, algumas características me chamam muito atenção e me atraem nas mulheres. Por isso, algumas mulheres tidas como lindas e que chamam atenção de muito homem, não me enchem os olhos.

Ok, chega de embromar. Esse texto é só para falar da minha gaúcha e como o jeito dela me deixa babando.

Para começar, e mesmo que ela reclame, eu tenho que dizer. Ela é linda. Sou do time do Vinicius de Morais: As feias que me perdoem, mas beleza é fundamental. Nem posso botar foto aqui para provar a vocês, mas acreditem, não é todo dia que se vê essa beleza toda. As feministas que me perdoem, mas se é machismo pensar assim, eu novamente digo, sou machista!

Mas ela é mais que beleza. Ela é carinhosa, meiga. Mulher tem que ser feminina, delicada, saber te conquistar com um chamego. Mulheres, acalmem seu homem, faça-o ver que ele tem um docinho ao lado dele, que dá aquela sensação de bem estar, de felicidade. Ela faz isso comigo. Cada momento com ela é como se o mundo parasse, e nada mais importasse, somente o carinho, o cuidado, o zelo dela comigo. Aquela voz com sotaque gaúcho, meio cantado, ao pé do ouvido, cantando o amor dela por mim, é algo único para mim.

E a mulher dos meus sonhos e da minha realidade tem algo que não sei explicar, mas vocês mulheres devem entender: tem que ter aquele tchan que faz você olhar nos olhos, e depois baixar os olhos e observar todo o resto. Que faz você, inconscientemente, morder os lábios, molhá-los com a língua, e imaginar mil safadezas. Juro, não sei explicar, é minha parte animal falando. Mas todos sabem como é, todos já viram cena assim na rua. E eu, putaquipariu, pude sentir essa sensação e fazer mais do que fantasiar, pude fazer ser real essa fantasia instintiva que tive com ela.

E por fim, o que todo homem quer em uma mulher, é que ela saiba tratá-lo bem na cama. A mulher que sabe dar prazer, sente muito mais prazer. Porque ela instiga o homem, ela o deixa com fogo nos olhos, excitado a ponto de não conseguir se segurar. Pois bem, pessoal, ela é assim. E faz isso com amor. Com tesão. É paixão pura o sexo com ela. Eu já fico aqui todo ofegante só de lembrar, querendo mais e mais tudo que já tivemos.


Ela é gaúcha, é tri. Mas como bom carioca, eu prefiro falar: ELA É FODA!

sexta-feira, setembro 29, 2017

ODE A UMA PAIXÃO


Afortunados são os que alguma vez já se apaixonaram na vida.

Eu sou um deles. Aliás, eu tenho a felicidade de ter me apaixonado várias vezes pela mesma mulher, ao longo de vários anos.

Parece clichê sentimental, mas vou lhe explicar.

Meu relacionamento, por vários motivos, nunca foi diário, e por um bom tempo, nem houve um contato pessoalmente, o que é angustiante por um lado, mas vendo agora por esse prisma histórico, fez tudo ser diferente, crescente, tântrico.

Aprendi primeiramente a ser amigo, confidente, íntimo nas emoções. Ela é minha melhor amiga.

A beleza dela é destacada. Disso não há dúvidas. Fisicamente. Mas a personalidade dela é muito bela também, e a cada descoberta, a cada risada, a cada atitude que nem sei explicar, mas sei sentir, me dava uma injeçãozinha de paixão. Teclar com ela já não bastava. Ouvir a voz dela, não bastava também. Vê-la em um retângulo de 5 ou 20 polegadas, também não.

Mas não se enganem. Não tem nada de platônico nisto. This girl is on fire. Ela é um mulherão, daquelas que sabe e diz o que quer. Que sente a vontade de um abraço, de um beijo, uma pegada. Coisa que sinceramente não estava acostumado a ver apontado para mim. Tome-lhe shot de paixão.

Sim, hoje sou outro homem e graças a ela. Ela me fez ver que tenho qualidades, que posso me achar interessante. Senti-me desejado como nunca antes, e como fez bem pela minha auto-estima!

A urgência em nos vermos crescia. Sim, acabamos por nos conhecer, tive-a próxima a mim, mas como nada nessa história é convencional, não tivemos o outro por completo. Ainda não. Mas nossa curva do relacionamento nunca foi acentuada, vamos a mais um aumento gradual em nossa relação, e em nossa paixão.

Tivemos alguns momentos de afastamento, até algumas mágoas aconteceram. Chegamos a imaginar que nunca mais nos veríamos nem nos falaríamos, mas alguma coisa, seja terrena, espiritual ou cósmica (ok, mais um clichê meus amigos, mas deixa estar, essa história merece!) nos trazia sempre de volta um ao outro.

Mas vamos lá, essa não é uma história de príncipe e princesa, é a vida real, e a paixão clama por uma intimidade. Meu desejo por ela estava incontrolável, e quando a tive por completo, meus amigos, é algo que não consigo descrever. A ansiedade e a insegurança acabaram, e ficou só o fogo. Nunca desfrutei dos prazeres da carne assim. Nunca havia sentido a paixão tão incendiada como aconteceu. Momentos especiais que nunca sairão do meu íntimo.

Tivemos alguns outros momentos assim, essa proximidade nos deu a certeza de que temos algo alem do mundano. Não sei explicar (mais uma vez), mas ela é A mulher. Sorte de quem encontrar alguém assim.

Ok, deixa eu contar uma coisa pra vocês, mas acho que vocês já sabem. Essa não é somente uma história de paixão. É uma história (também) de amor. Ah, eu sou sentimental às vezes, me deixa!

Não, não somos um casal tradicional, não nos vemos diariamente, mas pera lá, não me julgue. Você pode muito bem dormir com alguém ao seu lado e nem dizer eu te amo, nem fazer carinho no seu companheiro.

Tenho muito amor por ela, muita paixão também, meu coração palpita sempre que me aproximo dela. 

Meu coração é dela, e afortunados são aqueles cujos corações estão na mão de um outrem!


* Ao som de OutroEu - O Que Dizer De Você?

quinta-feira, março 24, 2016

Inseparáveis

Inseparáveis.
É o que somos.

A gente tenta ficar longe, não se falar.
Mas a saudade vem. O pensamento não para de nos trazer de volta.

Tivemos nosso momento juntos. Olhei nos seus olhos, senti seu cheiro, me arrepiei com seu corpo. Achei que nunca teríamos isso.

Mas, não devíamos mais nos falar. Eu não devia mais pensar em você, imaginar sua presença ao meu lado, seja com amigos, seja em um ponto turístico, seja na cama. Mas é o que acontece. Não consigo controlar.

Nem sempre é correto o desejo que sai de mim.


Inspirado em “Suricato – Inseparáveis”

sexta-feira, outubro 10, 2014

O Canalha



Sempre ouvi minhas amigas mulheres falarem do homem canalha, que vive uma ilusão com elas e depois joga tudo pelo ralo, às vezes até confessando mentiras e as mal tratando
E eu sempre as consolei, sempre disse que homem é canalha, para elas não se sentirem mal pois elas são especiais, e são eles que possuem falhas.
Pois eu fui o canalha da vez.
Eu e minha branquinha gaucha nos apaixonamos. Passou a ser mais do que somente carinho, vontade, desejo ou carência. Aliás, foi mais do que paixão. Foi amor. Estávamos completamente caídos um pelo outro. E isso afetou minha outra vida. Eu já demonstrava a todos em volta que minha esposa não era o meu amor, que eu tinha um outro amor, e as coisas estavam caminhando para explodir cedo ou tarde.
Minha esposa notou, e quando mulher quer, ela descobre. E descobriu. Cheguei a uma encruzilhada em que devia decidir onde eu seria canalha, pois canalha eu já era. E não consegui ficar longe do meu filho, e não dei conta de me separar de alguém por quem eu sentia responsabilidade de cuidar, e que queria fazer dar certo.
E no meu atropelo, fiz muita coisa errada com minha gaúcha. E a magoei demais.
Me arrependo amargamente de não ter conversado com ela na época como ela merecia, acho que fiz ela se sentir um pouco usada, jogada fora.  Não pensei direito na ocasião.
Fui canalha, fiz um mal enorme a ela, e fiz ela ter ódio de mim. Com razão.
Sinto muita falta da minha paixão por ela. Mas sinto mais ainda de nossa amizade.
Penso muito nela, sempre! De nossas conversas, de nossos conselhos, de nossa intimidade, de cada jeito dela. Do jeito dela olhar, sorrir, o jeito dela falar, eu sabia exatamente o que ela pensava e o que ela diria.
Ela é muito especial, e exatamente por isso, sei que procurá-la só vai fazer mal a ela.
Quero vê-la feliz, e ela hoje não será feliz se eu ficar atrás dela.
Quem sabe um dia ela não resolve me dar um oi, dizer que está bem, e dizer que me perdoa.

Acho que não acontecerá, mas é o que me resta. Não vou me aproximar. Amo-a demais para fazê-la sofrer de novo...



Hoje eu vejo que não consigo entender
O que houve entre nós
Eu ainda consigo ouvir sua voz
Me dizendo o que eu já sei

Tudo tem um começo e um fim
Eu vejo a dor em seu olhar
E mesmo sem querer eu te deixo partir
Pra que possa tentar ser feliz outra vez
Recomeçar

E quando eu me perco em suas memórias
Vejo o espelho contando histórias
Sei que é difícil de esquecer essa dor
E quando penso no que vivemos
Fecho os olhos, me perco no tempo
Pra mim não acabou

Tudo tem um começo e um fim
Eu vejo a dor em seu olhar
E mesmo sem querer eu te deixo partir

Banda Malta - Memórias