segunda-feira, setembro 26, 2016

SACARINHO


E eis que no meio do dia, eu te sequestro. Não digo aonde vou. Você resmunga um pouco quando embico o carro no estacionamento do motel. Mas eu te digo que só quero conversar com privacidade, para não se preocupar que não farei nada que você não queira. “Relaxa e curte esse momento” – eu digo.

Somente quando descemos do carro te dou um beijo. Até então, você estava muito tensa com medo de ser vista por alguém da redondeza. Você me beija com vontade também, aperta meu corpo para perto do seu. Você está com vontade, mas não vai admitir que quer tudo de mim.

Entro no quarto e nada faço. Vou tomar um banho, e digo para ficar à vontade. Volto somente de toalha, você ainda de roupa, mas deitada na cama bem relaxada. Deito do seu lado e começo a conversar, sobre a vida, faculdade, relacionamentos.

Mas não sou só amigo. Eu faço isso fazendo carinho, beijando sua boca, passando minha mão pelo seu corpo. E deixo você me acariciar também. Deixo minhas pernas grossas aparecendo entre a toalha, e o volume que cresce também é facilmente notado.

A conversa continua com carinhos no cabelo, beijo no pescoço, e tiro sua blusa, sua saia. Você fica só de lingerie, chega o corpo mais pra perto de mim, e nosso coração se acelera, o desejo fica mais forte. Tiro seu sutiã rapidamente, e beijo seus seios, primeiro de forma bem carinhosa, depois chupo com mais força. Você dá uns gemidos, acaricia meu cabelo, e fala que está muito gostoso, mas que não é para eu fazer mais nada contigo.

Você retribui meu carinho com sacanagem. Já beija meu pescoço também, morde meu ombro, e sua mão tira minha toalha e toca meu membro. Bem ereto. Sinto um arrepio e deixo você brincar mais. Acabo deitando na cama e deixo sua boca ir descendo até que você possa me chupar. Você chupa devagar, meio que também só dando carinho, sem dizer que quer um sexo frenético, e que está só fazendo sacanagem com carinho. Mal sabe você que uma chupada lenta deixa qualquer homem doido de tesão e em completa agonia.

Quando você sente meu corpo se contorcendo, e meus gemidos de prazer, você muda. Você faz cara de safada. Uma fisionomia que não é comum ver em você, sempre tão contida. Você não precisa dizer nada, sei bem o que isso significa. Tiro sua calcinha e você sobe em mim. Começo a te chupar também, em um 69 delicioso. Sem pressa, sem cobrança. Você toda molhadinha é um convite a minha língua, e não demora muito até eu sentir que sua boca me solta as vezes para gemer, para curtir o gozo que vem e que te faz parar por alguns segundos em completo êxtase.

Peço então para você me cavalgar. Adoro transar com você assim. Enquanto você sobe e desce, bem devagar, chupo mais seus seios. Mordo seu ombro. Chupo seu pescoço. Aperto sua cintura. Puxo seu cabelo. Está fora de ordem, não sei mais direito o que aconteceu. Quando você sente que estou quase explodindo, você rebola com mais força, e beija minha boca com muita vontade, tirando meu fôlego. Eu gozo muito, com muita intensidade, fico todo bambo, tremendo sem parar.

OK, não passamos um dia todo juntos. Logo voltamos à realidade de nosso trabalho. Foi aquele almoço rápido. Mas foi uma delícia.


O que mais gosto é nosso sacarinho. Sacanagem com muito carinho. Quando vamos de novo?

Nenhum comentário: